ENDURANCE: Xandy ganha, mas não leva

Mesmo com a vitória de Xandy e Xandinho Negrão não conquistaram o título e Chico Longo é o campeão brasileiro entre os pilotos.

Foi um bom investimento pagar R$ 70,00 para assistir do camarote, com direito a alimentação a etapa final do brasileiro e gaúcho de Endurance, e até mesmo aqueles que pagaram R$ 10,00 no portão, saíram satisfeitos de Tarumã.

A 7ª Etapa começou na quinta-feira, com o treino extra. Na sexta, após quatro sessões de treinos livres, o AJR #65 da dupla formada por pai e filho, José e Nilson Ribeiro bateu o recorde do circuito de Tarumã para a categoria, registrando a pole em 55s990. No entanto, a melhor marca da história do circuito gaúcho, inaugurado em 1970, segue sendo 55”712, estabelecido em 2014, pelo filho de Nelson Piquet, Pedro, quando andava de Fórmula 3.

As 3 Horas de Tarumã encerraram o campeonato nacional e gaúcho de Endurance de 2018, após sete etapas. A corrida como de costume aconteceu no sábado que amanheceu nublado em Viamão. Às 3 horas da tarde, sob uma temperatura de 34 graus os pilotos já estavam alinhados no grid.

O Endurance brasileiro teve um ano de altos e baixos. Se no passado esse campeonato chegou a reunir mais de 40 carros, e o ano iniciou com 30, os 22 inscritos da última etapa não representam o melhor momento do certame. Mesmo assim, a reunião dos protótipos com Ferrari, Lamborghini, Porsche, Maserati, Mercedes, Audi, BMW e Aston Martin proporcionaram bons momentos aos pilotos e equipes. O público é que merecia mais.

A pista de Tarumã segue desafiadora e perigosa, principalmente, em função das poucas obras no circuito e da total falta de investimentos na infraestrutura interna do autódromo, que há muitos anos não vê uma obra de vulto sendo realizada. Mesmo assim, tudo correu bem no sábado e o campeonato terminou para alegria dos vencedores.

CORRIDA

A transmissão ao vivo através da internet começou pontualmente às 16h51, com 115 espectadores assistindo através do site oficial da categoria. Rapidamente esse número aumentou, chegando a mais 500 espectadores durante a corrida.

A largada foi autorizada às três da tarde pontualmente. Depois de duas voltas com a presença do safety car, os carros partiram em alta velocidade e no fundo do grid uma batida envolveu vários carros provocou a interrupção da corrida com bandeira vermelha. Após a limpeza da pista os protótipos #37 e #56 Aston Martin#63 ficaram bastante danificados e o sem condições de participar na relargada. O MRX, #32 e #43 voltaram para a prova. Na segunda hora de prova, após um longo trabalho nos boxes, o protótipo #56 que ocasionou a batida voltou para a corrida.

Trinta minutos depois, nova largada, desta vez com os carros partindo em fila indiana.

Com 21 minutos de prova, a primeira bandeira amarela após 17 voltas completadas. Tiel Andrade corria em segundo quando o Tubarão#5 ficou pelo caminho com quebra do câmbio.

Na relargada, Chico Longo e Miguel Paludo seguiam protagonizando a melhor disputada da prova. O Lamborghini defendia a quarta colocação enquanto o Porsche andava em quinto com o piloto convidado.

Com 28 voltas, Carlos Kray estaciona do AJR#88 na saída da curva do Tala, segundo safety car.

Após a primeira parada regulamentar para abastecimento seguia o AJR#65 na primeira colocação, seguido do AJR#117 de Henrique Assunção e Xandinho Negrão no Mercedes GT3#9, em terceiro, no fechamento da primeira hora de prova.

Na 62ª volta houve a mudança na liderança. Nilson Ribeiro, aos 65 anos cansou e foi superado por Henrique Assunção que era perseguido de perto por Xandinho Negrão. Duas voltas depois, Xandinho ultrapassou e colocou o Mercedes GT3#9 na ponta.

Na 70ª volta a torre de direção de prova advertia o piloto Chico Longo para permitir que o Mercedes fizesse a ultrapassagem. Não cumpriu a ordem e tomou uma punição de passagem pelos boxes, caindo para a sexta colocação, antes da abertura da segunda janela obrigatória. Pior para Daniel Serra que terá muito trabalho ao volante do Lamborghini para recuperar o tempo perdido, quando era atingido a metade do tempo de prova.

Ainda durante a segunda janela de paradas o terceiro safety car da prova foi acionado. Desta vez para rebocar o Audi#64 de H. Visconde.

Na volta 87ª José Roberto Ribeiro reassumiu a ponta da corrida, girando abaixo de um minuto, abrindo vantagem na ponta.

Na volta 112, quebra da suspensão traseira do AJR#117, quinto colocado na classificação geral, sendo o fim de prova para o trio Assunção/Vianna/Ohashie, restando 45 minutos para o final.

Restando 30 minutos um carro parado na curva 3 provocou a quarta entrada do safety car, quando o líder tinha mais de 30 segundos de vantagem para a Mercedes pilotada por Xandy Negrão. Daniel Serra era o terceiro colocado. A relargada foi autorizada quando faltavam 25 minutos para o final.

Sacrilégio – restando 19 minutos o líder vai aos boxes com problemas na suspensão traseira. Após troca do rolamento o carro voltou para prova na quarta colocação, desistindo logo a seguir. Xandy Negrão assumiu a ponta e venceu, a quarta vitória da temporada, mas como disse o piloto após a conquista " aqui ganha mas não leva, vamos ver"!.

Os campeões 2018 do Endurance Brasil:

Geral

Campeão - Chico Longo

Vice-campeões - Xandy e Xandinho Negrão

Categoria P1

Campeão - Emílio Padron

Vice-campeões - Claudio Ricci, Fernando Poeta e Beto Giacomello

Categoria GT3

Campeão - Chico Longo

Vice-campeões - Xandy e Xandinho Negrão

Categoria P2

Campeões – Mauro Kern e Paulo Sousa

Vice-campeões – Henrique Assunção e Emílio Padron

Categoria GT4

Campeão – Henry Visconde

Vice-campeão – Arthur Caleffi

Categoria P3

Campeões – Rafael Simon e Gustavo Simon

Vice-campeão – Gustavo Tomazini e Gustavo Frey

Fonte: EnduranceBrasil

RESULTADO FINAL 3 HORAS TARUMÃ 1° #9 X.NEGRAO/XANDINHO GT3

2° #19 C.LONGO/D.SERRA GT3

3° #70 R. MAURICIO/M.PALUDO GT3

4° #11 E.PADRON/F.FORTES P1

5° #117 H.ASSUNCAO/M.VIANNA/F.OHASHIE P1

6° #75 ASSUNCAO/VIANNA/PADRON/OHASHIE P2

7° #32 P.SOUSA/M. KERN P2

8° #155 R.MENDES/C.RICCI GT3

9° #25 N.FAUSTINI/N.DESA P1

10° #89 R.STUMPF/M. STUMPF P2

11° #43 G.TOMAZINI/G.FREY P3

12° #65 N.RIBEIRO/J. RIBEIRO P1

13° #18 C.RICCI/F.POETA/H.GIACOMELLO P1

14° #64 H.VISCONDE/A.CALEFFI GT4

15° #71 I.ELY/D.CLAUDINO P1

16° #2 F.MACIEL/S.LOFF P3

17° #56 G.SIMON/R.SIMON P3

18° #7 C.ANTUNES/Y.ANTUNES/A.SETTE P2

19° #88 C.KRAY/V.ORIGE P1

20° #5 T.ANDRADE/J.MARTINI P1

21° #37 S.TURVEY/T.RIBERI P1

22° #63 S.RIBAS/G.RIBAS GT3

PIT STOP  EDIÇÃO DIGITAL
maio/2021
PitStop#32.png
REVISTAS -  Capas
2017-2021
Logo_PitStop_ ok.jpg

Jornal PIT STOP produzido no Rio Grande do Sul onde circulou mensalmente durante 24 anos, sempre entregue gratuitamente nos autódromos gaúchos entre 1993 e 2017. 

Com o fim da edição passamos a produzir a partir de 2017 a Revista NEWS / Jornal PIT STOP digital, publicada aqui no site mensalmente.

O www.corridaonline.com.br existe desde 2000 e foi pioneiro nas transmissões AO VIVO de imagens e áudio no Brasil em corridas de automobilismo.

 

Redação e edição: Paulo Torino 

paulo_torino@yahoo.com.br

Mercedes 300SEL AMG #35_Red Sow_SPA 1971

Conheça o artista 

Roberto Muccillo