Conosci i campione: Gilles Villeneuve


“Nem sempre o talento é recompensado com os louros merecidos. Nem sempre a determinação e a coragem acabam em vitória. Nem sempre a vida parece justa. Mas no final a justiça aparece de uma forma ou outra”, escreveu o jornalista português, Fábio Mendes na AutoSport, no dia de seu aniversário. GILLES VILLENEUVE teria comemorado 71 anos, na última segunda-feira.

Nascido em 18 de janeiro de 1950, em Saint-Jean-sur-Richelieu, Quebec-Canadá, Gilles Joseph Henri Villeneuve, viveu apenas 32 anos.


Se olharmos sua carreira apenas pelos números, eles serão injustos com o talento do canadense. Depois de boas atuações na Fórmula Atlantic no início de 1970, em 76, Gilles impressionou James Hunt em Daytona e Pau, e isso abriu as portas para sua chegada na equipe McLaren no ano seguinte.


A estreia na F1 ocorreu no dia 16 de julho de 1977, quando o nome de Gilles Villeneuve apareceu pela primeira vez na sessão de classificação para o Grande Prêmio Europa em Silverstone de 1977. Pilotando o McLaren M23 #40, largou em 9º e terminou a corrida na 11ª colocação, num GP onde havia 46 pilotos inscritos e somente 26 conseguiram lugar no grid.




Depois dessa corrida Gilles foi contratado pela Ferrari, substituindo Niki Lauda e pilotando os carros vermelhos em 66 GPs, se tornou imortal.


ESTATÍSTICAS F1


68 GPS

67 Largadas

6 companheiros de equipe

2 construtores McLaren e Ferrari

2 motores Ford Cosworth e Ferrari

7 modelos carro 1977 a 1982

6 vitórias (8,96%)

2 poles positions (2,99%)

8 voltas mais rápidas (11,94 por cento)

13 pódios (19,40%)

30 abandonos (44,78%)

107 pontos

534 voltas na liderança

2.251 km na liderança

3.283 voltas em corrida

15 194 km em corrida


“Nenhum ser humano é capaz de fazer milagres, mas Gilles faz-nos desconfiar disso” disse Jaques Laffite.


ÚLTIMA CORRIDA


Em 1982 a rivalidade dentro da equipe era evidente. No GP de Imola Didier Pironi e Villeneuve duelaram durante 60 voltas, depois de Gilles largar em terceiro e Pironi em quarto.

O pole, Arnoux, largou bem e manteve a ponta, enquanto Villeneuve e Pironi brigavam pela segunda colocação. Na 26ª volta a Ferrari #27 ataca por fora na Tamburello e Villeneuve ultrapassa Pironi, que volta a se colocar lado a lado na reta e assim se mantiveram até a curva Tosa. Os tifosi estão em delírio.


Na abertura da 27ª volta Villeneuve está nos escapamentos de Arnoux. Na Rivazza ele mergulha para dentro, passa pela Renault e assume o comando. Imediatamente Pironi ameaça Arnoux. A multidão delirante aplaude seu herói Gilles Villeneuve.


Na 45ª volta o turbo de Arnoux pega fogo na Tamburello. Villeneuve se livra do francês, e Pironi vem atrás. Arnoux abandona a corrida na Tosa, o autódromo se transforma em um mar de bandeiras vermelhas agitadas.


Restando 10 voltas para o final, Villeneuve é primeiro, Pironi o segundo. Dos boxes, a Ferrari mostra a placa com a inscrição "SLOW", advertindo aos seus pilotos, e ordenando que eles poupassem seus carros. Mas Villeneuve entende que as posições estão congeladas e que a vitória está garantida. Pironi não entendeu assim, e segue pressionando Villeneuve.


Na volta 53, Pironi ataca e passa Villeneuve na Tamburello. O canadense não compreende a sua atitude e acha que ele simplesmente quer "fazer um show".

Restando três voltas para o final, Villeneuve resolve partir para o ataque, percebendo que Pironi não devolverá a primeira colocação. Desorientado, coloca uma roda na grama depois da Rivazza. Na volta seguinte, Villeneuve carrega um novo ataque na Tosa, mas Pironi não lhe dá um centímetro de espaço. Gilles está furioso.


Na penúltima volta, Villeneuve repete a mesma manobra e, desta vez, supera o seu rival. A Ferrari #27 está na frente, restando uma volta para o final.

Última volta: Pironi ataca na Tamburello e consegue superar o rival na Tosa. Os dois carros passam lado a lado na linha de chegada. Pironi vence o segundo GP da sua carreira por apenas +00.366s.

Villeneuve é o segundo. Alboreto terminou em terceiro e assim conquistou seu primeiro pódio na Fórmula 1. A guerra está declarada dentro dos boxes da Ferrari.


Pironi e Villeneuve


Sábado, 8 de maio de 1982- GP BÉLGICA – Zolder


Na sessão classificatória da tarde as posições de classificação estão embaralhadas, com os tempos de volta caindo. Faltando 25 minutos para o final da sessão, Gilles Villeneuve está muito nervoso. Didier Pironi está na frente, com o tempo de 1'16''501'''. Ele coloca seu segundo jogo de pneus e retorna à pista com um objetivo: bater o tempo de seu companheiro de equipe. Ele completa uma volta, duas voltas... sem sucesso. Às 13h52, Mauro Forghieri ergueu uma placa ordenando que ele voltasse aos boxes para colocar novos compostos Goodyear. Villeneuve inicia seu retorno aos boxes, mas não diminui a velocidade. Ele entra na curva Terlamen em quinta marcha, a 260 km/h. Na sua frente seguia em baixa velocidade, Jochen Mass. Quando ele vê o carro do alemão não há como desviar e um violento choque acontece. A Ferrari #27 atinge o March#17, voa como um avião, caindo no meio da pista, partida em dois. Durante a capotagem, Villeneuve é projetado do cockpit, indo cair junto a cerca de proteção da arquibancada. Ele perdeu o capacete com o impacto e está inconsciente quando os socorristas chegam. Um médico faz o atendimento, mas a situação é extremamente grave. Vários pilotos param para ajudar; ali perto estão: Mass, Guerrero e Winkelhock. Pironi também tenta se aproximar, mas o jovem francês tem dificuldade de perceber o que está acontecendo. Arnoux também vai ao local da tragédia. Ele volta pálido para os boxes da Renault.

Distante, em Modena, um homem de 84 anos silencia em luto. Enzo Ferrari tinha um sentimento quase paternal por Villeneuve.

Villeneuve foi transportado de helicóptero para o hospital especializado Saint-Raphael em Leuven. Sem ferimentos aparentes é radiografado: sua clavícula esquerda está quadrada, assim como sua primeira e segunda vértebra cervical. Seu fígado também não resistiu ao impacto. Gilles está perdido. Às 21h12 Gilles Villeneuve, está morto.



Pesquisa: Paulo Torino

Fontes: STATS F1, AutoSport

Edição Digital
12 HORAS (1962-2020)
12 Horas atualizado 2020.png
REVISTAS -  Capas
2017-2021

Logo_PitStop_ ok.jpg

Jornal PIT STOP produzido no Rio Grande do Sul onde circulou mensalmente durante 24 anos, sempre entregue gratuitamente nos autódromos gaúchos entre 1993 e 2017. 

Com o fim da edição passamos a produzir, a partir de 2017, a Revista digital NEWS publicada aqui no site mensalmente.

O www.corridaonline.com.br existe desde 2000 e foi pioneiro nas transmissões AO VIVO de imagens e áudio no Brasil em corridas de automobilismo.

 

Redação e edição: Paulo Torino 

paulo_torino@yahoo.com.br

Conheça o artista 

Roberto Muccillo

CORRIDAONLINE -  Redação, Bergamo - Itália

© 2000 - 2018 corridaonline

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now