Revistas da semana

RECOMENDAMOS

e assinamos em baixo.



As corridas ficaram horríveis, não acha?

Uma carta aberta aos entusiastas do automobilismo e também um apelo sincero para salvar o recuperável


por MARIO DONNINI – AUTOSPRINT – 19 outubro 2020

(DO TEXTO ORIGINAL) algumas linhas...

Aos verdadeiros entusiastas do automobilismo. Bem, vamos ao ponto. Algo mudou e está mudando ainda mais, na nossa relação com o mundo das corridas, porque tantas pistas coincidentes, juntamente com evidências irrefutáveis, me fazem acreditar que o Esporte Motor não está apenas passando por uma profunda crise de identidade, mas também passa por um estado total de abandono pelas novas gerações, sejam eles Millennials, Boomers, Gen X, Gen Y e Gen Z....

Venho escrevendo e vivendo de dentro da AUTOSPRINT por quase trinta anos, por um quarto de século escrevo essa coluna e ainda frequento as mídias sociais. Bem, posso dizer e jurar que o automobilismo cada vez mais parece um esporte frequentado, assistido e amado especialmente por pessoas com mais de 40 anos e, melhor ainda, por pessoas com mais de 50 anos de idade. Digamos que, eles são 50% da média ...

Há uma fratura, uma fenda dividindo as gerações, uma ferida aberta. Não é por acaso que, um pouco em todos os lugares, entre a Europa e a América, periódicos (jornais e revistas) aparecem em crise profunda, muitos já passaram para o online, todos na internet, e para continuar, pois são eles que podem dedicar espaço e qualidade não só às corridas de hoje, mas às corridas, aos campeões e as máquinas dos tempos que já foram ....

Restou pouco do automobilismo mensal em papel - na Grã-Bretanha (e não apenas) que segue com dignidade abordando aqueles nostálgicos anos das corridas, enquanto também respondemos, com AUTOSPRINT que se defende bem, com a Coleção Mensal Autosprint Gold, uma publicação que ostenta números encorajadores e recordes nas bancas, podendo contar com uma plateia de leitores maduros e leais e, espero, fiéis... No final do dia, chegamos à conclusão que a crise é mais sobre carros de corrida do que motocicletas, já que as duas rodas de corrida mantêm um mínimo de apelo, talvez porque você percebe o extremo, imediato e espetacular clima das corridas, mas também eles, como tendência, não vivem dias de festa ...

Qual é o problema?

Então, se você olhar para o automobilismo em si, os resultados são geralmente e, em média, deprimentes. O grande plano global de tornar a F1 um esporte de TV, inexoravelmente pago, está falhando miseravelmente, porque os números, as assinaturas e as novas adesões não estão nem perto dos resultados esperados. Pior, o plano de Ecclestone para destruir todo o complexo, o esporte automotivo diverso e pluralista para criar uma nova F1, ou uma espécie de superformula planetária unidimensional, estúpida, danosa, triunfante, rica, incolor e inodoro com jovens ‘belos’ pilotos, que falam muito e não dizem nada, assim como as equipes de onde brotaram oceanos de dinheiro como se não houvesse amanhã, bem, tudo isso também ficou entorpecido, esvaziado e dissolvido...

As Raízes do Mal

Os fabricantes de automóveis agora, com o ar elétrico e infectado, estão todos em apuros tanto que nem sequer pensam na F1, que agora se tornou uma espécie de exclusividade, uma iniciação do clube de xadrez, com três ou quatro equipes envolvidas e mil medos: segurança, respeitabilidade, bondade, correção política, contenção de custos, contenção das economias, a contenção do sexismo, todos os tipos de contenção, menos a única contenção da qual há urgência real: mudar a forma de se dirigir aos fãs babacas, diante de um show que se repete mil vezes salivando relações entre vencedores e perdedores a cada dois domingos amaldiçoados, por sete temporadas sem qualquer garantia que irão parar de fazê-lo....

Soluções

Então, o quê? O que vamos fazer? Vamos acabar com isso aqui, assim, sem nem brigar?

Nem mesmo por um sonho, meus senhores. Nós nos seguramos, lutaremos até a última bala, e ainda colocamos nossas almas nela, mas ao mesmo tempo também paramos de contar a nós mesmos sobre contos de fadas ou, algo pior. Não é que a AUTOSPRINT se tornou feia ou mais feia ou menos bonita do que antes. Não, somos um espelho: vamos refletir sobre o que está diante de nós, sem exceder nossos defeitos ou méritos. O grande projeto de esquiar para tolos falhou. A operação foi bem-sucedida, mas o paciente morreu. Na verdade: ele não é mais paciente porque o entusiasta, em média, desapareceu.

Chega dos chefes de vapor dos dólares que devastaram 97% dos circuitos reais para criar chicanes para bilionários, amordaçando todo o Circo transformando o diálogo em monólogos, inteligentes em estúpidos, pilotos masculinos em crianças irônicas...

A última provocação

E para isso continuar isso, ser uma análise, uma exaltação e também um diálogo à distância do espaço em um período limitado de tempo, eu lhe faço uma pergunta: quantos de vocês têm essa revista porque vocês são inexplicavelmente atraídos pelas corridas de hoje? Mais. Quantos de vocês estão entusiasmados com o circuito de Cingapura ou com as arquibancadas pontualmente vazias do Bahrein? Quantos de vocês adoram as medidas do Colégio de Comissários do Esporte? Quantos de vocês sabem sobre um impedimento, uma penalidade de tempo ou uma liberação insegura? Você gosta da ideia de ver calçadas maravilhosas transformadas em tobogãs na Índia, Vietnã ou Coreia?

Srs. Mayday!.

Vocês querem saber, queridos amigos, qual é a verdade suja que (quase) ninguém lhes diz? Nós ainda estamos aqui - e eu falo dos 99,99% periódicos que ainda existem - porque todos nós fazemos parte de um grupo apaixonado de românticos nostálgicos e sonhadores, que continuam a assistir com uma pitada de poesia desencantada, mas persistente, o esporte que nos deu mãos cheias de dias maravilhosos. Hoje, caminhamos com a consciência clara de que pouco está nos dando e que amanhã, não temos certeza que irá continuar.




PORTUGAL


França




Revista Digital
COnews#30.png
Logo_PitStop_ ok.jpg

* Jornal PIT STOP foi produzido no Rio Grande do Sul e circulou mensalmente durante 24 anos, sempre entregue gratuitamente nos autódromos gaúchos entre 1993 e 2017. 

Com o fim do Jornal impresso passamos a produzir, a partir de 2017, a Revista digital corridaonlineNEWS, publicada aqui no site mensalmente.

O www.corridaonline.com.br existe desde 2000 e foi pioneiro nas transmissões AO VIVO de imagens e áudio no Brasil em corridas de automobilismo.

Editor e redator corridaonline

 

paulo_torino@yahoo.com.br

Todas Capas
2017-2020

Conheça o artista 

Roberto Muccillo

Logo Corrida_anunario.png

© 2000 - 2018 corridaonline

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now